A website número 1 no mundo em audição e perda auditiva
Desde 1999

28 de junho de 2016

Antibióticos para infecções bacterianas podem causar perda auditiva

Pacientes que são tratados com antibióticos aminoglicosídeos correm risco de contrair perda auditiva, revela estudo.

Antibióticos para infecções bacterianas podem causar perda auditiva

Um estudo realizado por uma universidade nos Estados Unidos, Oregon Health and Science University School of Medicine, revela que o uso de antibióticos aminoglicosídeos coloca pacientes em grande risco decontrair infecção bacteriana inflamatória. As drogas são conhecidas por prejudicarem as células sensoriais no ouvido interno, as quais são responsáveis por detectarem sons e emoções, e isso ocorre porque a inflamação que acompanha as infecções bacterianas aumenta a captação da droga.

Os antibióticos aminoglisídeos são usados, por exemplo, no tratamento de meningite bacteriana, enfermidades respiratórias em pacientes com fibrose cística e infantes prematuros com infecções em tratamento intensivo neonatal.

Pesquisa com camundongo

No estudo realizado,, camundongos saudáveis que receberam uma pequena dose de aminoglicocídeo experimentaram um pequeno nível de perda auditiva. Os camundongos afetados por uma inflamação experimentaram um nível maior de perda auditiva.

“Se você der aminoglicosídeo para animal ou ser humano saudáveis, durante um período longo, eles irão ficar surdos. Se eles têm uma infecção que induz a uma resposta inflamatória, eles irão perder a audição com mais rapidez,” afirma o autor responsável pelo estudo, Peter S. Steyger, PhD, Professor de otorrinolaringologia, responsável  também por cirurgia de cabeça e pescoço ea uma universidade de Oregon, Oregon Hearing Research Center, Oregon Health and Social Science University of Medicine, nos Estados Unidos.

Risco entre infantes

Infantes prematuros em tratamento intensivo neonatal sofrem grande risco de ter essas  infecções. “Quando os infantes perdem a audição, eles começam um longo e difícil processo para aprender ouvir e falar. E isso pode interferir na trajetória educacional e psicológica do desenvolvimento deles. Tudo isso pode ter um grande impacto no futuro dos infantes , no que diz respeito à empregabilidade, rendimento e qualidade de vida,” explica Steyger.

Melhoramento nos níveis de orientação

Os responsáveis pelo estudo necessitam de mais médicos para escolherem os antibióticos especifícos que não prejudiquem a audição no tratamento das várias infecções. Eles esperam que a pesquisa possa oferecer uma base de melhoramento do nível de orientação para pacientes que usam antibióticos aminoglicosídeos. “Nós temos que proporcionar, com urgência, alternativas efetivas em todo lugar para tratamento de ameaças de infecções fatais, afim de não sacrificar a habilidade auditiva do paciente,” pontua  Steyger.  

Fonte:www.medicaldaily.com ewww.examiner.com

Por favor use nossos artigos

Você será sempre bem vindo para indicar ou usar nossos artigos. A única restrição é que você forneça um link direto para o artigo específico que usar na página que nos citou/indicou.

Você não poderá, Infelizmente, usar nossas fotos, uma vez que nós não temos copyright delas, mas temos o direito de usá-las em nossa website