A website número 1 no mundo em audição e perda auditiva
Desde 1999

28 de março de 2017

Cafeína pode piorar perda auditiva relacionada à idade

Cafeína pode afetar signicantemente a capacidade do corpo de se recuperar de perda auditiva temporária induzida por ruídos, aponta estudo.

Cafeína pode piorar perda auditiva relacionada à idade

Um estudo realizado pelo instituto Research Institute at the McGill University Health Centre, no Canadá, sugere que cafeína pode afetar seriamente a capacidade do corpo de recuperar-se de perda auditiva temporária, após exposição a eventos com ruídos extremos. Além disso, o estudo revelou que cafeína pode contribuir para prejuízos a longo prazo que poderiam ser recuperados inicialmente.

“O ouvido quando exposto a ruídos pode sofrer uma redução de perda  auditiva temporária, também conhecida como limiar auditivo temporário. Esse distúrbio é normalmente reversível nas primeiras 72 horas, após exposição a ruídos, mas, se os sintomas persisterem, o dano pode ser permanente”, segundo Dr. Faisal Zawawi, otorrinolaringologista da universidade McGill University Health Centre, no Canadá.

Tempo lento de recuperação

O estudo foi conduzido durante uma experiência de 15 dias e realizado com 24 cobaias divididas em três grupos. O primeiro grupo foi exposto a cafeína, o segundo, a ruídos ou estímulos acústicos  semelhante ao que se escuta num show de rock (110 decibéisno decorrer de uma hora; e o último grupo, foi exposto tanto a cafeína como a ruídos, no primeiro e oitavo dias de experiência.

Os resultados mostraram que as cobaias que se expuseram a cafeína e a sons altos - ao mesmo tempo - recuperaram-se mais lentamente de perda auditiva temporária induzida por ruído do que o grupo que só tinha sido exposto aos sons. E além do tempo mais lento de recuperação, as cobaias também experimentaram perda auditiva após o décimo quinto dia de experincia.  

Os pesquisadores têm planejado ampliar os testes, envolvendo pessoas no futuro, de modo que a pesquisa será confirmada através de resultados feitos com o ser humano.

O estudo foi publicado pela  revista de medicina americana, Journal of the American Medical Association.

Fonte:www.scienceworldreport.com 

Por favor use nossos artigos

Você será sempre bem vindo para indicar ou usar nossos artigos. A única restrição é que você forneça um link direto para o artigo específico que usar na página que nos citou/indicou.

Você não poderá, Infelizmente, usar nossas fotos, uma vez que nós não temos copyright delas, mas temos o direito de usá-las em nossa website