Otosclerose

Otosclerose é um dos casos mais comuns de surdez progressiva entre os jovens.

O que é otosclerose?

Otosclerose é um crescimento anormal no osso que imobiliza progressivamente o estribo (ossículo mais interno do ouvido médio).

A ostoclerose está relacionada ao crescimento de três ossos no ouvido interno e um desses ossos, o estribo, cresce de forma anormal impedindo que estruturas dentro do ouvido trabalhem de um modo correto cusando, portanto, perda auditiva.

Como otosclerose chega a causar deficiência auditiva?

Otosclerose está relacionada a uma falha nos três ossículos no ouvido médio, especificamente no estribo. O que significa dizer que, ocorre uma anomalia na formação do tecido ósseo fazendo com que o crescimento desses ossos impeça  uma vibração normal,  a qual é responsável pela atuação de som. Os estribos são importantes no processo de transmissão de ondas sonoras que vai do ouvido externo, passando pelo ouvido médio, e  finalmente chegando ao ouvido interno. Quando os estribos não fazem esse movimento corretamente, o som  que uma vez enviado do ouvido médio para o ouvido interno, é reduzido causando, pois, deficiência auditiva.

Causas de otosclerose

Essa enfermidade é hereditária, mas pode existir vítimas de otosclerose sem histórico patológico na família. A osteclerose pode se agravar, ainda mais, em pessoas com sarampo ou grávidas. Ambos os ouvidos podem ser afetados, mas é mais comum um ser mais atingindo gravemente que o outro. E se não for feito um tratamento a perda auditiva pode aumentar causando surdez completa.

A vítima mais famosa de perda auditiva foi Beethoven, cuja enfermidade o impediu de ouvir suas últimas composições.

Sintomas de otosclerose

O diagnóstico pode ser feito por um especialista, mas há alguns sinais que podem ser detectados pela vítima e/ou seus familiares.

Ruídos fortes de fundo  podem incomodar pessoas com problema auditivo, no entanto, para vítima de otosclerose esses ruídos são imperceptíveis e em alguns casos as pessoas escutam melhor em ambientes barulhentos (paracusia). E isso ocorre provavelmente pela alta frequência e barulho causados pelas pessoas em determinados ambientes. A otosclerose costuma afetar mais em baixas frequências que em altas e os s sintomas manifestam-se em forma de vertigem e tinnitus.

Como é  feito o diagnóstico de otosclerose?

Otosclerose é diagnosticada através de um exame clínico no ouvido médio, normalmente, através de um clínico geral, ou por um fonoaudiólogo.

Tratamento de otosclerose

O aparelho auditivo pode ajudar as pessoas com problemas auditivos, sobretudo, vítimas de otosclerose, contudo, ele não cura uma vez que a doença é progressiva o que faz necessário a aquisiçao de um aparelho que vai sendo graduado com a necessidade de cada um, com o passar do tempo. Na fase inicial, esse instrumento pode ajudar no sentido de evitar que as vítimas se submetam a um procedimento cirúrgico.

No entanto muitas cirurgias são realizadas no tratamento de otosclerose, as quais são consideradas relativamente simples e que consistem na remoção de uma das partes do osso e inserção de um pequeno implante que pode restaurar a perda auditiva e eliminar os sintomas de vertigens e tinnitus.

O que devo fazer caso desconfie que esteja com otosclerose?

Se você acha que tem otosclerose , devido outros na família terem,  e uma vez que essa enfermidade tem procedência  hereditária,  é  aconselhável procurar ajuda médica para que seja feito um exame auditivo, sobretudo, no ouvido médio.