20 Agosto 2019

Cantar pode melhorar a audição de crianças com implantes cocleares

Estudo aponta que crianças com implantes cocleares podem melhorar a audição, especialmente, a percepção de fala em ambientes ruídosos, caso elas tenham o hábito de cantar.

Um estudo analisou como crianças com implantes cocleares, que cantam  de modo espontâneo desenvolvem a percepção de fala em ambientes com ruídos, quando comparadas com crianças que têm implantes cocleares e não cantam.

O estudo analisou os efeitos da idade e as mudanças da fala no desempenho acústico de crianças com implantes cocleares, em ambiente ruidoso, no período de 14 a 17 meses. As crianças com implantes cocleares foram comparadas a um grupo de crianças com audição normal.

Comparado ao grupo de audição normal, o grupo inteiro de implante coclear era menos tolerante à percepção de ruído de fala, mas ambos os grupos melhoraram de modo semelhante. No entanto, o grupo de crianças com implantes auditivos, que cantava, apresentou melhor desempenho em fala com ruído de fundo do que o grupo de implante coclear que não cantava.

Conclusões do estudo

O estudo concluiu que crianças com implantes cocleares, que cantam com frequência em casa, tinham uma percepção melhor de fala em ruído de fundo, do que as outras crianças com implantes cocleares.

Os autores concluiram, também, que os resultados mostram que a percepção de fala de crianças com implantes cocleares, em ruído, está interligada ao “discernimento prévio da mudança de instrumento musical, ou seja, do piano para percussão como também àquelas que cantam com frequência, cuja  atenção  está voltada para a mudança de timbre, em geral, do piano para percussão, violino e bateria”.

Sendo assim, o estudo sugere que cantar e tocar instrumentos musicais pode melhorar a percepção da fala de crianças com implantes cocleares, em ambientes ruídosos.  

O estudo “Developmental links between speech perception in noise, singing and cortical processing of music in children with cochlear implants” foi publicado na revista Music Perception.

Fontes: www.healthyhearing.com e Music Perception