18 Dezembro 2019

Deficiência auditiva não tratada tem impacto social significativo

Vale a pena investir em saúde.

Deficiência auditiva não tratada tem um impacto econômico consideravelmente negativo para a sociedade. Por outro lado, a boa novidade é que o uso de aparelho auditivo produz muitos impactos positivos para a sociedade.

Os custos sociais com deficiência auditiva não tratada correspondem a custos com qualidade de vida entre milhões de pessoas que vivem com deficiência auditiva não tratada. Outros custos maiores estão relacionados à falta de produtividade devido ao desemprego, subemprego, e aposentadoria antecipada entre pessoas com deficiência auditiva não tratada.  E isso, de contra partida, resulta em aumento de custos para fundo de desemprego, seguro social, pensões e taxas baixas de rendimentos fiscais. Além disso, deficiênica auditiva não tratada aumenta consideravelmente despesas com a assistência médica.

Baixa qualidade de vida e produtividade

O relatório “Hearing loss – Numbers and Costs”, estudo científico realizado pela Professora Bridget Shield, da Universidade de Brunel ( Brunel University ) e publicado pela AISBL revelou que a baixa qualidade de vida devido a dificuldades auditivas custa anualmente 130 bilhões de Euros para a União Europeia. A baixa produtividade para a sociedade devido a elevada taxa de desemprego, entre pessoas com dificuldades auditivas, custa outros 55 bilhões de Euros anualmente para a União Europeia. No total, deficiência auditiva não tratada custa 185 bilhões de Euros, anualmente, para a União Europeia.  Nesse valor não está incluído aumento com custos de assistência médica devido à deficiência auditiva não tratada.

Só na União Europeia há 22,6 milhões de pessoas vivendo com deficiência auditiva não tratada.

Custos elevados com a saúde

Vários estudos científicos revelaram que deficiência auditiva não tratada está relacionada a declínio cognitivo e demência, distúrbios depressivos, quedas, danos, derrame, isolamento social, fadiga, fraqueza, e outros problemas relacionados à saúde.

Para pessoas com deficiência auditiva não tratada, os custos com saúde chega a 46% por pessoa por um período acima de 10 anos, comparando-se com pessoas sem deficiência auditiva, revelou estudo realizado por pesquisadores da  Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, nos Estados Unidos.

Os benefícios de tratamento com intrumentos auditivos

Muitos estudos científicos feitos atualmente têm revelado que o uso de aparelhos auditivos e outros intrumentos auditivos, como por exemplo, implantes cocleares resultam numa melhor qualidade de vida para pessoas com dificuldade auditivas, como também  aumento de produtividade para a sociedade, devido a taxa baixa de desemprego, menos subempregos e índice  menor de aposentadorias precoces, o que resulta em aumento de receita. Ao mesmo tempo, o uso de instrumentos auditivos resulta, em geral, em melhor saúde e despesas menores com saúde, e em larga escala, diminuem dificuldades relacionadas à deficiência auditiva.

Invista em saúde auditiva

“O tratamento de deficiência auditiva, com instrumento auditivo, aumenta significantemente a qualidade de vida e melhora a economia, uma vez que ocorre aumento de produtividade e redução de custos com saúde. Ao mesmo tempo, milhões de pessoas com deficiência auditiva conta com uma vida mais satisfatória,  podendo, desse modo, continuar contribuindo com a sociedade, uma vez que estão profissionalmente aptas, ao usar de instrumentos auditivos, tais como aparelho auditivo ou implantes auditivos. Por isso, eu recomendo que autoridades e administradores públicos invistam em assistência médica auditiva profissional, o que é um grande investimento para a sociedade”, afirma  o secretário geral da Hear-it AISBL, Kim Ruberg.

Relatório
Relatório " Hearing Loss - Number and Costs"(pdf)
Download kit de imprensa sobre o relatório (pasta zipada)

Societal costs - PT

 

Sign up! Get news updates from hear-it.org