Dispositivos de condução óssea

Os dispositivos de condução óssea são implantes auditivos que convertem sons em vibrações, as quais são enviadas para o ouvido interno. Estes implantes são os mais utilizados quando o ouvido externo ou médio não são capazes de transmitir corretamente o som para o ouvido interno.

As soluções auditivas de condução óssea normalmente são usadas por pessoas que têm deficiência auditiva condutiva ou deficiência auditiva mista, cujos ouvidos externo e médio não são capazes de conduzir corretamente o som para o ouvido interno. Elas podem também ser usadas quando se tem um canal auditivo irritado, prejudicado ou deformado. Pessoas com atresia e microtia podem também ser beneficiadas com o dispositivo de condução óssea.

Surdez unilateral

Os dispositivos de condução óssea são utilizados no tratamento da surdez unilateral, ao enviar o som do ouvido deficiente para o ouvido saudável.

Como funciona o dispositivo de condução óssea?

Os dispositivos de condução óssea funcionam através de vibrações atrás da orelha que enviam sinais para o ouvido interno. Um dispositivo de condução óssea não transmite amplificação de som como no caso de um aparelho auditivo convencional. Ouvir o som através dos ossículos é o modo normal de se ouvir os sons. A pessoa ouve aproximadamente metade da sua própria voz através dos ossículos, motivo pelo qual ela percebe diferentes sons de sua voz quando a mesma é gravada. As vibrações são tão pequenas que a pessoa não pode senti-las, mas sim, ouvi-las.

Os dispositivos de condução ósseas consistem basicamente em duas partes: uma externa e outra interna. A parte externa traz o som; processa-o, e envia-o para a parte interna que vai se encarregar da vibração dos ossículos. Há dispositivos de condução óssea ativos e passivos. Com o dispositivo de condução óssea ativo a pele fica intacta.

Para se beneficiar com o dipositivo de condução óssea, a pessoa deve ter uma cóclea que funcione e que possa enviar sinais sonoros para o cérebro. A condução óssea pode ser recomendada para pacientes com deficiência unilateral e bilateral.

Cirurgia versus dispositivos não cirúrgicos

Em alguns dispositivos de condução óssea, o processador de som externo/processador de áudio é posicionado diretamente no crânio através de uma cirurgia simples para colocar um pequeno implante de titânio na parte de trás da orelha. Um contato direto através da pele entre a parte da vibração externa e o ossículo, através do pilar, proporciona uma transmissão eficiente e uma boa qualidade de som. Existem outros implantes e sistemas de processador de som/ áudio, que irão oferecer estímulos, deixando a pele intacta. Esses sistemas também oferecem uma excelente  qualidade de som.

Se você não pode ou não quer se submeter a uma cirurgia, ou até mesmo não deseja-a para seus filhos, existem dispositivos não cirúrgicos em que um processador externo de som é colocado sob a pele através de uma faixa delicada, ou um adesivo discreto.

As soluções não cirúrgicas não oferecem a audição como as implantáveis, pois a pessoa perde de 10 a 20 dB(decibéis), uma vez que o som tem que passar através do cabelo e pele. É muito importante permitir que  as crianças ouçam todos os sons,e, desta forma, elas devem fazer o uso dessas soluções o mais cedo possível. Soluções não cirúrgicas são também uma forma de testar como a pessoa ouvirá depois. 

A audição não é restaurada

Pacientes com dispositivo de condução óssea costumam ouvir muito bem e afirmam que a qualidade do som é natural. Isso ocorre porque o ouvido interno é completamente saudável. No caso da deficiência auditiva condutiva, levemente prejudicada ou na deficiência auditiva mista, a parte danifcada passa pelos dispositivos de condutor ósseo.

Posso me beneficiar com a solução condutiva óssea?

Se você acha que um dispositivo de condução óssea pode ser importante no seu caso, você deve contatar seu médico ou um fonoaudiólogo.

Outros tipos de implantes auditivos

Implantes Cocleares
Implante Auditivo de Orelha Média
Implante Auditivo de Tronco Cerebral