20 Março 2019

Pessoas com deficiência auditiva correm risco maior de sofrerem lesões acidentais

Se você tem dificuldades auditivas, você conta com um risco maior de se envolver em lesões acidentais, aponta estudo americano.

Um estudo americano investigou associações entre deficiência auditiva e lesão acidental entre americanos adultos. A conclusão é que deficiência auditiva aumenta o risco de lesões acidentais.

O risco pode duplicar

O estudo mostrou que os entrevistados que tinham muitos problemas auditivos eram duas vêzes mais propensos a experimentar lesão acidental do que os entrevistados com  uma excelente audição.

“Quando as pessoas têm deficiência auditiva, elas têm maior dificuldade de ouvir sinais de alerta, como por exemplo, o de bicicleta ou de moto quando vêm em sua direção”, afirma o Dr. Neil Bhattacharyya autor responsável pelo estudo e pesquisador da Harvard Medical School and Brigham and Women’s Hospital, em  Boston.

Comparado aos entrevistados com excelente audição, o risco de  lesão acidental dos entrevistados com pouco problema auditivo era de 60% mais elevado, e que pessoas com problemas auditivos moderados tinham uma possibilidade de 70%  a mais de experimentar acidentes. Já os entrevistados com muita dificuladade auditiva eram 90% mais propensos a ter lesão acidental, mostrou o estudo.

Os tipos mais predominantes de acidentes entre os entrevistados com dificuldades auditivas estavam relacionadas a trabalho e entretenimento.

Sobre o estudo

O estudo é uma análise transversal de entrevistas de uma amostra representativa com 232,3 milhões de indivíduos com a idade de 18 anos, ou acima disso, da National Health Interview Survey de 2007 a 2015 voltado para  respostas de questionários feitos aos entrevistados sobre audição e acidentes.

O estudo examinou lesões acidentais nos três meses anteriores. O estado da audição foi descrito pelos entrevistados como “excelente”, “bom”, “um pouco complicado”, “complicação moderada”, “muito problemático” ou “surdo”.

Fonte: “Self-reported Hearing Difficulty and Risk of Accidental Injury in US Adults, 2007 to 2015” publicado em JAMA Otolaryngoly Head and Neck Surgery e www.reuters.com